18 de mai de 2010

Área verde em Diadema terá 720 apartamentos

O empresário Marco César Ballarin, dono da Ballarin Imóveis e sócio na Invest-Bens Planejamento Imobiliário, aguarda a aprovação pela Prefeitura de Diadema do projeto de 720 apartamentos que serão erguidos na área verde de 42 mil m² no bairro Serraria, que pertenceu ao jurista já falecido Miguel Reale.

O empreendimento habitacional é assinado pelo arquiteto Fernando Silvério de Souza, irmão do secretário de Meio Ambiente, Ricardo Silvério de Souza, e filho do ex-vereador Edgar de Sousa. Todos são filiados ao PV de Diadema.

Entre 2008 e 2009, três alterações no Plano Diretor aprovadas pelo Legislativo, a pedido do Executivo, excluíram o terreno do rol dos imóveis de Iphac (Imóvel de Interesse Paisagístico, Histórico, Artístico e Cultural). Não houve discussão prévia e autorização por parte dos representantes do Comdema (Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente), conforme determinação legal. A Prefeitura nega. O Ministério Público investiga o caso.

Duas emendas aprovadas alteram o zoneamento das áreas de preservação ambiental na cidade que passam a ter uso semelhante às categorias do entorno.

O vereador Laércio Soares (PCdoB) é o autor das emendas - uma modificativa e outra substitutiva. "Não fiz nada para favorecer ou piorar, mas para garantir as características de construção do entorno", defende-se Laércio, que até o início de abril era o líder do prefeito Mário Reali na Câmara.

Legislação à parte, Ballarin prefere não entrar na polêmica. "O empreendimento irá beneficiar o próprio município ao oferecer apartamentos para público com faixa de renda entre três e seis salários míninos, dentro do Programa Minha Casa, Minha Vida", afirmou.

A propriedade conserva a vegetação encontrada na região nos anos 40, oriunda da Mata Atlântica. Mas o empresário garantiu que "a maioria do empreendimento" será erguida onde predominam eucaliptos - a extração de sua madeira é permitida e utilizada nos projetos de reflorestamento.

Ballarin rebateu as críticas dos ambientalistas, além de se indignar com os abaixo-assinados que correm pela cidade contra a extinção da vegetação no local - Diadema é a segunda cidade do País em densidade demográfica. "Compramos área de preservação ambiental que não gera recurso, sem falar no valor alto do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano). O desmatamento será de apenas 40%. O restante será preservado", reforçou o empreendedor.

‘Filippi queria fazer um parque'', diz Ebe Reale
"O prefeito Filippi queria transformar em um parque esportivo com preservação da área verde", afirmou a historiadora Ebe Reale, filha do professor Miguel Reale, referindo-se à chácara adquirida pelo pai em 1946, no bairro Serraria. José de Filippi Júnior (PT) foi chefe do Executivo de Diadema por três mandatos na cidade.

Em entrevista exclusiva ao Diário, concedida na Fundação Nuce e Miguel Reale, em São Paulo, Ebe lembrou dos tempos em que frequentava a chácara ao lado dos pais e dos dois irmãos. "Saíamos em estrada de terra, do hoje Clube Monte Líbano, para a antiga Vila Conceição, que mais tarde receberia o nome de Diadema por sugestão de papai", contou. Tempos depois, receberia o título de Padrinho de Diadema.

No sítio, que seria batizado como São Miguel, o renomado acadêmico e jurista passava os fins de semana e as férias. "Ele tinha loucura por aquele lugar. Era a paixão dele. Ali plantou muitas árvores", afirmou a filha, mais adepta do mar do que do campo.

Com o passar das décadas, o pagamento do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) começou a pesar - ela não revelou o valor pago à Prefeitura. Por isso, Miguel Reale não queria se desfazer da área verde, mas defendia a venda para o governo. "Foram várias as tratativas com a Prefeitura, inclusive o Filippi foi no sítio conversar com o papai. A transformação em pista de caminhada, centro esportivo e biblioteca, foi, inclusive, proposta de campanha de reeleição para o terceiro mandato", lembrou. A Prefeitura justificou falta de dinheiro.

Segundo Ebe, a direção da Saned (Companhia de Saneamento Básico de Diadema) também mostrou interesse na compra da área para lazer. A empresa municipal informou, em nota, que "não consta no histórico de projetos a construção de um parque."

Com a morte do professor em 14 de abril de 2006, aos 95 anos, a família Reale vendeu o imóvel em 26 de agosto de 2008 para a Invest-Bens, que tem Marco César Ballarin como sócio. O sítio foi vendido por R$ 2 milhões.

"Vendemos a chácara com a garantia do Marco que um grupo de empresários manteria a área verde para uso dos funcionários e familiares", afirmou Ebe. O que foi confirmado por Ballarin à reportagem.

fonte: Elaine Granconato
Do Diário do Grande ABC

4 comentários:

Anônimo disse...

Lamentavel, pagaram um R$ 50,00 o metro quadrado, dai molharam a mão de todo mundo e vão aprovar o projeto, pq sera que o arquiteto responsavel é irmão do secretario do meio ambiente, depois do projeto aprovado essa area vale mais de R$ 10 milhões.

Anônimo disse...

vergonha total, retrocesso. Esses irresponsáveis estão acabando com a qualidade de vida e com Diadema. Basta a especulaçao imombiliária desordenada.

Anônimo disse...

Vamos pedir a cabeça do secretario do meio ambiente.

Anônimo disse...

Para aqueles q se preocupam com a qualidade de ar da nossa cidade e têm disponibilidade: Pq vcs ñ fundam uma espécie de uma ong para plantar árvores, ensinar a população a cultivá-las e conscientizá-los da importância disso? Fica a ideia!