11 de ago de 2017

Diadema recebe loja do Spani Atacadista


A rede Spani Atacadista inaugura no dia 15 de agosto sua loja no bairro Serraria, em Diadema. Essa é a 18ª loja da bandeira que já atua nas cidades do Vale do Paraíba, Litoral Norte, Sul Fluminense, região do Alto Tietê, região de Campinas e capital paulista.
 Com um investimento de R$ 12 milhões, a nova loja está localizada na avenida Doná Ruyce Ferraz Alvin, n° 2635. A unidade já gerou 160 empregos diretos e ocupa uma área total de 3.676,39 m2, sendo que a área de vendas ocupa 2.010 m2, com 18 checkouts e 87 vagas de estacionamento para os clientes.
A nova loja irá oferecer mais de 10 mil produtos dos setores de açougue, bebidas, frios, laticínios, hortifrútis, importados, mercearia, higiene e limpeza. Dentre as vantagens que fazem do Spani Atacadista a melhor opção para os negócios estão o estoque garantido, ofertas exclusivas para os mais variados públicos, variedade de produtos, atendimento por televendas para tirar dúvidas e o desenvolvimento de campanhas sociais nas regiões em que atua.
Expansão
Atualmente o Spani Atacadista conta com 17 unidades distribuídas entre o Estado de São Paulo e região fluminense. Para atender toda a demanda, a rede conta com um Centro de Distribuição que está localizado estrategicamente na cidade de Taubaté, no Vale do Paraíba.
O Diretor Presidente do Grupo Zaragoza, Cléber Gomez, falou sobre o crescimento da empresa no Estado de São Paulo. “A bandeira Spani está crescendo em todo o Estado e prezamos, sempre, por oferecer a melhor qualidade no serviço, atendimento e o preço baixo, que é nossa marca no mercado. Estamos felizes em inaugurar uma unidade aqui em Diadema”, considera o Diretor Presidente.

28 de jul de 2017

Diadema vai ganhar segundo shopping em 2018


Nove anos após a inauguração do Praça da Moça, Diadema vai ganhar novo shopping em 2018. O Grupo Bem Barato apresentou ontem (26) a empreendedores e autoridades locais projeto e obras de centro de compras localizado no bairro Serraria, na esquina da Avenida Afonso Monteiro da Cruz com a Estrada do Rufino.
O Shopping Diadema, co­mo será chamado o empreendimento, terá 14,2 mil metros quadrados de Área Bruta Locável (ABL) total, dos quais 5 mil m² serão ocupados por um atacarejo Bem Barato, ân­cora do empreendimento. Atualmente, a rede possui oito unidades, das quais seis estão situadas no ABC. O investimento não foi divulgado.
O centro de compras terá 93 operações, o que inclui 79 lojas (uma âncora, 68 satélites e dez médias), praça de alimentação com nove restaurantes, complexo de cinema com quatro salas, playkids (parque de diversão indoor), academia e clí­nica, além do atacarejo.
Com a construção iniciada há alguns meses em terreno que já pertencia ao Bem Barato, o shopping terá quatro pavimentos, sendo dois de lojas e dois de estacionamento, com mais de 700 vagas.
Segundo o gerente de mar­keting do shopping, Marcos Farias, as obras serão entregues em janeiro e, depois dessa fase, os empreendedores terão 90 dias para montar as lojas. Assim, o complexo de­ve ser inaugurado no segundo trimestre de 2018.
Farias explicou que a localização do novo centro de compras está em sintonia com o público alvo do Bem Barato, voltado às classes B e C. Análise da influência do empreendimento revelou que, em um raio de dez minutos, há população de 392 mil habitantes, das quais 65,7% integram as classes B2 e C. Ainda segundo o estudo, o potencial de consumo desse contingente é estimado em R$ 258 milhões.
“A ideia inicial era construir apenas um supermercado. Porém, durante a fase de estudos de viabilidade, descobrimos que havia potencial no bairro para um shopping. Normalmente, quando quer ir a um centro de compras, a população da periferia é obrigada a se deslocar para o Centro. Ao trazer o empreendimento para o bairro, invertemos esse processo”, disse.
Farias reconheceu que os shoppings mais novos da região sofrem com elevada vacância, devido ao receio dos empresários de investir em uma época de crise. Porém, entende que nenhum deles tem um atacarejo como âncora, o que aumenta o poder de atração do empreendimento.
“O atacarejo será um ótimo gatilho para os lo­jistas”, afirmou o gerente de marketing. Além disso, o mix de lojas será cuidadosamente escolhido, de forma a atender a população residente nos arredores do centro de compras e com bastante espaço para prestação de serviço, como reza a cartilha dos shoppings de vizinhança.
Sem revelar números, Fa­rias afirmou que o Grupo Bem Barato registrou crescimento no ano passado, impulsionado pela abertura de duas lojas no ABC – um supermercado em São Bernardo, localizado em prédio onde funcionava a Coopervolks; e um atacarejo na Vila Palmares, em Santo André.
A unidade prevista para o Serraria será a maior da rede e vai empregar cerca de 400 pessoas. Atualmente, o Grupo Bem Barato possui 1,6 mil trabalhadores.

26 de jul de 2017

Com investimento de R$ 25 milhões, Assaí abre amanhã primeira unidade em Diadema


O Assaí Ata­cadista vai inaugurar, amanhã (27), sua primeira unidade em Diadema. A loja demandou investimento de R$ 25 milhões e faz parte do projeto de conversões implementado pelo Grupo Pão de Açúcar (GPA) – dono das marcas Extra e Assaí – desde o ano passado.
No ABC, a estratégia já resultou na conversão, para Assaí, de unidade do Extra localizada na Vila Luzita, em Santo André. Com investimento de R$ 14 milhões, a loja foi inaugurada no final de junho.
A nova unidade está situada na Avenida Piraporinha, 1.144. Tem aproximadamente 10 mil metros quadrados de área construída, dos quais 5,4 mil m² de espaço de vendas. Para a operação da loja foram gerados mais de 500 empregos diretos e indiretos.
“Para nós, é uma grande satisfação chegar a Diadema. Temos boa presença no ABC, mas faltava estar presente na cidade para ampliar ainda mais a participação. Queremos que os moradores do município e arredores encontrem no Assaí alternativa econômica para fazer suas compras”, disse em nota Belmiro Gomes, presidente do Assaí.
Na contramão dos supermercados, que tiveram queda de 1,5% nas vendas no ano passado, segundo a Associação Brasileira do setor (Abras), o faturamento dos atacarejos avançou 11,3%, conforme a Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores (ABAD)
Para atender as necessidades de todos os clientes que têm acesso às lojas, o Assaí oferece a política de dois preços. Isso significa que o consumidor não precisa comprar uma caixa fechada para conseguir valores mais competi­tivos. A partir de pequenas quantidades já é possível pagar o valor de atacado – essa informação está disponível nas etiquetas dos produtos expostos na área de vendas.
fonte: Diário Regional

5 de jul de 2017

Integração entre ônibus municipais e Metra passará a ser cobrada nos Terminais São Mateus, Diadema e Piraporinha


A partir deste domingo, 9 de julho de 2017, passageiros que utilizam ônibus municipais em Diadema e seguem viagem nos ônibus e trólebus da Metra no Corredor ABD pelos terminais Diadema e Piraporinha passarão a pagar R$ 1 para fazer a transferência. A cobrança também será efetuada dos passageiros que usam os ônibus municipais em São Paulo, do sistema SPTrans, e que seguem viagem pelo terminal São Mateus na zona leste de São Paulo, no Corredor ABD.
Até então, a transferência é gratuita.
A polêmica da cobrança existe desde 2011 e já foi alvo de protestos políticos, inclusive com prefeito Lauro Michels, de Diadema, fechando o terminal da cidade com próprio carro em janeiro deste ano. Também houve diversas disputas judiciais.
Na decisão que permitiu com que o Governo do Estado de São Paulo reajustasse as tarifas metropolitanas no início do ano também já foi autorizada a cobrança da integração, mas por questões políticas a medida ainda não tinha sido colocada em prática.
A transferência por R$ 1 só poderá ser feita por meio do uso do cartão BOM – Bilhete de Ônibus Metropolitanos em qualquer uma das modalidades. No caso de estudantes, há desconto de 50%.
Quem não possui o Cartão BOM terá de pagar duas tarifas: a municipal e a tarifa do Corredor Metropolitano ABD , que é de R$ 4,30. Assim será necessário fazer o Cartão BOM que pode ser solicitado pela internet : https://www.cartaobom.net/index.aspx
Na resolução nº 50, da secretaria de Transportes Metropolitanos, o secretário Clodoaldo Pelissioni, diz que a decisão se dá por causa de custos maiores que a concessionária Metra tem ao assumir mais serviços de manutenção do corredor:
Considerando as novas atividades assumidas pela Concessionária METRA – Sistema Metropolitano de Transportes Ltda, no que tange i) à execução dos serviços correspondentes às funções de substituição, conservação, manutenção preventiva e corretiva da rede aérea de energia elétrica e dos equipamentos do Corredor Metropolitano São Mateus/Jabaquara e de sua extensão Diadema/Morumbi, abrangendo a fiação aérea, estações transformadoras e retificadoras, chaves seccionadoras, postes, tirantes e chaves; ii) implantação e operação do Centro de Controle de Energia – CEE; iii) execução dos serviços relativos à comercialização, distribuição e controle do vale transporte e, iv) desenvolvimento e implantação do sistema de controle de oferta
A cobrança será feita entre ônibus municipais da Mobibrasil e da Benfica, em Diadema, e das empresas do sistema SPTrans, em São Paulo, para o Corredor Metropolitano ABD . No sentido inverso, do corredor para os ônibus municipais, não haverá cobrança.
fonte diariodotransporte

Praça da Moça recebe 1ª pista de kart indoor de Diadema




O Shopping Praça da Moça, em Diadema, traz uma atração imperdível para os fãs de automobilismo e adrenalina: uma pista de kart indoor de 400 metros, com percurso de retas e curvas, ideal para desafiar aqueles que querem brincar de pilotos e até convidar amigos ou a família para disputar uma bateria.
Com potência média de 6,5 HP, os carros utilizados no kart indoor permitem uma diversão segura aos participantes. Além da estrutura montada com pneus para delimitar a pista e servir de barreira de proteção, são fornecidos itens de segurança como capacetes e luvas.
Podem participar adultos a partir de 1,5 m de altura e até 120kg, e crianças a partir de 7 anos de idade e 1,30m de altura (menores de idade deverão estar acompanhados pelos pais ou responsáveis). As restrições são para mulheres grávidas, pessoas descalças ou com sapato aberto.
Kart indoor no Shopping Praça da Moça
Quando: até 31 de outubro
Horário: de segunda a sexta das 14h às 22h, aos sábados, domingos e feriados das 10h às 22h
Local:  Estacionamento G3
Tempo de corrida: 15 minutos (R$ 35) e 30 minutos (R$ 70).

fonte RD 

4 de jul de 2017

AcelorMittal abre novo centro de distribuição em Diadema



A AcelorMittal, multinacional que é a maior produtora de aço do mundo, iniciou as operações de um novo centro de distribuição em Diadema. A unidade vai abastecer todos os clientes da região metropolitana de São Paulo, com capacidade de armazenar 3,2 mil toneladas de mercadoria.
O projeto conta com apoio da Investe São Paulo, a Agência de Promoção de Investimentos e Exportação ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação. “Fizemos um extenso trabalho de busca para um local adequado, oferecendo informações estratégicas fundamentais para o sucesso do empreendimento”, afirma o diretor da Agência, Sérgio Costa.
A expectativa é que o centro gere entre R$ 170 e 180 milhões de faturamento, empregando cerca de 300 pessoas. Foram investidos R$ 1,7 milhão no projeto.
Na ArcelorMittal Brasil, o modelo de negócio considera toda a cadeia de valor, do fornecimento de insumos à entrega do aço ao cliente final, seja no ambiente B2B (Business to Business), que envolve grande parte das operações da Empresa por meio da rede de distribuição, ou B2C (Business to Commerce), na rede de lojas próprias e no e-commerce, plataforma inaugurada em 2015. Esse modelo assegura ampla presença do aço ArcelorMittal no país, custos competitivos, oferta de produtos com valor agregado e alta performance na entrega dos resultados, integrando a gestão de pessoas aos métodos avançados de gestão.
SOBRE A ACELORMITTAL
Líder no mercado global de aço, a empresa abastece cadeias industriais nos setores automotivo, de construção, eletrodomésticos e embalagens, tendo 222 mil empregados em mais de 60 países. Só no Brasil, a empresa tem 29 unidades e 13 mil funcionários, produzindo cerca de 11,3 milhões de toneladas de aço e 7,1 toneladas de minério de ferro por ano.

12 de jun de 2017

9 de jun de 2017

Loja 10 pastéis chega ao Shopping Praça da Moça



A partir de 7 de junho, os frequentadores do Shopping Praça da Moça, em Diadema, ganham mais uma opção: a loja 10 Pastéis, que chega com o modelo “express”, serviço ágil e cardápio com 23 opções de pastéis salgados e doces, entre elas o pastel de Bauru. Preparado de acordo com a receita tradicional do famoso lanche paulista, o pastel é uma novidade da rede exclusiva para a unidade de Diadema.
Além disso, podem ser servidos em três opções de massas (tradicional, picante ou chocolate) e duas formas de preparo: frito ou tostado, com 43% menos gordura. O menu conta também com outras opções de lanches, como porções de pastéis e batata frita, combos, panquecas, saladas e almoços executivos.
“Sabemos que o paulista adora pastel, por isso, estamos animados com essa operação em Diadema”, destaca o fundador da rede, Marcos Nagano. A marca possuí mais de 30 unidades em sete estados brasileiros e, agora, no Shopping Praça da Moça inaugura a sua quarta loja no estado paulista.
Shopping Praça da Moça
Rua Manoel da Nóbrega, 712 - Centro, Diadema
Telefone: (11) 4057-8900

24 de mai de 2017

Casa do Construtor inaugura primeira unidade em Diadema


A Casa do Construtor abre neste sábado (27/5) sua primeira loja em Diadema. Atualmente existem duas unidades na região, em São Bernardo e Santo André. Com a inauguração, a rede, maior franquia de locação de equipamentos de pequeno porte para a construção civil, alcança a marca de 116 franquias no Estado de São Paulo e 250 franquias em todo o País. A franquia prevê ainda ampliação para Ribeirão Pires e Mauá.
A nova unidade, com investimento de R$ 500 mil, segue o modelo padrão da Casa do Construtor que é referência no segmento da construção civil. Com área média de 350 m2, a loja oferece mais de 70 opções para construção civil e varejo. “Os produtos são atraentes para consumidores que desejam mexer desde a manutenção até o mercado ativo. Nos próximos três meses devemos ainda inaugurar a unidade de São Caetano e temos interesse em ampliar para Ribeirão Pires e Mauá”, adianta o consultor de expansão da Casa do Construtor, Renato Almeida.
Os clientes podem alugar equipamentos como ferramentas elétricas, rompedores, compactadores, betoneiras e estruturas metálicas, além de instrumentos para limpeza e jardinagem. “Trata-se de um polo de grande importância para a expansão da rede e uma região com alto potencial de vendas. A inauguração de nossa primeira loja em Diadema chega para atender ao público da região e ampliar cada vez mais nossos negócios no Grande ABC e entorno”, comemora Alexandre Lorenzon, gerente de expansão da Casa do Construtor.
Para 2017, além de 14 unidades somente no estado de São Paulo, a Casa do Construtor projeta outras 15 lojas em estados como, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, mas também, em localidades concentradas nas regiões Norte e Nordeste do País, onde a rede enxerga grande potencial para os negócios. Das unidades, 10% são lojas próprias e 22% franquias. Para alcançar a meta, a rede adota quatro estratégias: Loja nova, conversão de bandeira, expansão interna e o lançamento de unidades +Rental, modelo de franquia compacto, para cidades de até 50 mil habitantes, instalado dentro de lojas de material de construção.
 Repórter Diário

22 de mai de 2017

Burger King nova loja em Diadema

 Burger King nova loja em Diadema será ao lado do restaurante Feijão de Corda na Av. Antônio Piranga.

1 de mai de 2017

Associação Comercial de Diadema investe R$ 1,8 milhão em nova sede


Está em fase de acabamento as obras de construção da nova sede da Associação Comercial e Empresarial (ACE) de Diadema, localizada ao lado das instalações atuais (em imóvel alugado), na rua das Turmalinas, 108, Jardim Dononi. O empreendimento, de quatro andares e 800 metros quadrados de área, conta com investimentos da ordem de R$ 1,8 milhão entre recursos próprios e financiamento com a cooperativa de crédito Sicredi.

Recentemente a direção da entidade também decidiu incluir no projeto mais um espaço para realização de eventos no topo do prédio, que será concluído de forma conjunta com a parte geral de acabamento. “É a realização de um sonho. Nossa expectativa é inaugurar a sede no final de julho, no máximo início de agosto”, afirma a presidente da entidade, Vera Lucia Rocha.

Com as novas instalações será possível ampliar o leque de trabalho de estímulo e incentivo a comerciantes e empresários realizado pela associação, já que haverá auditório para 150 pessoas (o atual comporta apenas 60). Com isso facilita, por exemplo, a organização de reuniões com núcleos de contadores, de negócios, que poderão ser realizadas em espaço mais confortável e moderno.
Fundada em 1971, a ACE de Diadema conta atualmente com 1.080 associados.
Repórter Diário

17 de mar de 2017

Lojas 1A99 chega ao Shopping Praça da Moça



Mais uma importante marca chega ao Shopping Praça da Moça para diversificar o mix e oferecer novas opções aos clientes. Presente no estado de São Paulo e Minas Gerais com 33 unidades, as Lojas 1A99 abrirá sua nova unidade no próximo sábado.
Neste amplo espaço de 400m2, o cliente encontrará uma loja com atendimento diferenciado, produtos de qualidade e preços que variam de R$1 a R$99. São mais de 15 mil itens envolvendo utilidades domésticas, organizadores, brinquedos, saúde e beleza, moda e acessórios, informática, petshop, esporte e lazer, decoração, ferramentas e jardim, limpeza e lavanderia, além de itens de bomboniere e bebidas.
“Nosso planejamento de expansão vê a região de Diadema como uma importante conquista para consolidação do planejamento estratégico da empresa”, destaca João Barboza, sócio-diretor das Lojas 1A99.
Shopping Praça da Moça
Rua Manoel da Nóbrega, 712 - Centro, Diadema
Telefone: (11) 4057-8900


13 de mar de 2017

Após veto da Fifa, DIS aposta no CAD

Com mudança das regras da Fifa, que proibiu a participação de investidores nos direitos sobre atletas, o Grupo DIS busca no CAD (Clube Atlético Diadema) porto seguro para manter seus jogadores. Dirigentes do clube e representantes do DIS já acertaram detalhes para futura parceria, que envolve reforços para equipe, melhorias no campo do Taperinha e até a construção de centro de distribuição do Sonda.

O Grupo DIS pertence a Delcir Sonda, proprietário de rede de supermercados que leva seu sobrenome. Há quase dez anos o empresário atua no futebol, adquirindo percentuais de direitos econômicos de jogadores. Na lista de atuação do DIS estiveram Neymar, Paulo Henrique Ganso e Rafael Sóbis.
O CAD está na Segunda Divisão do Campeonato Paulista, a quarta divisão estadual. Vê, de longe, o sucesso de seu rival, o Água Santa, que em 2016 disputou a elite do futebol paulista e hoje está na Série A-2. O clube, fundado em 2009, ficou renegado a segundo plano na Prefeitura de Diadema por orientação política do prefeito Lauro Michels (PV) – em seu primeiro mandato, a ordem era ajudar o Água Santa.
Agora Lauro está em litígio político com o Água Santa. E quer turbinar o CAD. Tanto que ele tem participado das discussões de parceria do time com o Grupo DIS. Mas qualquer tipo de avanço depende, segundo o DIS, da renovação da concessão de uso do campo municipal do Taperinha, localizado na Avenida Ulysses Guimarães, na Vila Nogueira (veja mais abaixo).
“As conversas existem, são boas. Mas o contrato do time para ter seu campo expira em dezembro. Não vou assumir um clube e correr risco de ter de largá-lo seis meses depois por não ter onde jogar. Preciso ter segurança jurídica. E depende da Prefeitura e da Câmara de Vereadores da cidade”, diz Roberto Moreno, diretor executivo do Grupo DIS, ao Diário.
A ideia principal é aproveitar o CAD para legalizar a atuação e permitir que o Grupo DIS mantenha sua cartela de jogadores. Os atletas que não fossem negociados com grandes clubes jogariam pelo time de Diadema, para pegar experiência e ter rimo de jogo. Dentro da discussão há promessa de reforma do campo do Taperinha. Cogita-se erguer uma arena, mas o sonho é bem distante – o local é instalado em área predominantemente residencial.
“Cidades da Europa do tamanho de Diadema possuem dois clubes. Por que não aqui? Não vejo problema. Ter o CAD forte não atrapalha o Água Santa”, afirma Jackson Carvalho, presidente do CAD. As palavras são endossadas pelo secretário de Esportes da cidade, Manoel José da Silva, o Adelson. “Além de dois times fortes e a reforma do Taperinha, vislumbramos 300 empregos (com o centro do Sonda). Que cidade não vai querer isso?”
Concessão do campo trava discussão
A parceria entre o CAD (Clube Atlético Diadema) e o Grupo DIS hoje esbarra na Câmara de Vereadores de Diadema. Lá tramita projeto para renovar a concessão de uso do campo do Taperinha, na Vila Nogueira, ao time. O DIS já avisou que o contrato só sai com o direito de utilização da praça esportiva.
Porém, o Água Santa, rival do CAD, aguardava pelo encerramento da concessão – prazo expira em dezembro – para obter a licença de uso do espaço para centro de treinamento. O Netuno possui autorização de exploração do Estádio do Inamar, mas queria o Taperinha como CT para poupar o gramado e custos de acomodação de atletas.
“O Água tem o Estádio do Inamar e o CAD ficaria com o Taperinha. Não vejo motivos para mudar isso”, declara o secretário de Esportes, Manoel José da Silva, o Adelson.
O projeto para estender o contrato não tem prazo para ser votado pelos vereadores da cidade.


fonte: Raphael Rocha DGABC

Giraffas abre nova loja em Diadema



Giraffas, rede líder na categoria de pratos, inaugura, no dia 15 de março, sua segunda unidade na cidade de Diadema (SP).
O restaurante, que ficará localizado no shopping Praça da Moça, chega para reforçar a presença da marca na cidade, além de consolidar ainda mais a atuação do Giraffas no estado de SP, somando 113 unidades.

Com uma grande variedade de pratos, lanches, sobremesas, além da linha Happy Hour e as Crepizzas, os visitantes do shopping, na região central de Diadema, poderão desfrutar do cardápio do Giraffas a qualquer hora do dia.

(Redação - Agência IN)

12 de mar de 2017

Diadema Embalagens, Firma familiar vai investir R$ 32 mi



Sob o mesmo nome desde 1979, a empresa familiar Diadema Embalagens Flexíveis atua na cidade da região produzindo pacotes de PET laminados com alumínio. Seus envases fazem parte do dia a dia de muita gente, só que com o rótulo de fabricantes como Danone, Natura, Lays, Três Corações, Frisco, Melitta, Bunge, Sococo e Café Pele. Este, a propósito, é o segredo da empresa, tanto para driblar a crise como para permanecer tanto tempo no mercado: diversificar seus clientes.
Atualmente, a companhia, que emprega 584 trabalhadores, produz embalagens para os mais diversos setores, como alimentício, químico, cosmético e tintas e, desde 2013, passou a atender também a área farmacêutica, responsável por cerca de 10% do faturamento da empresa.
Na última década, foram investidos US$ 35 milhões (R$ 112 milhões, considerando o dólar a R$ 3,20) na aquisição de equipamentos e contratação de funcionários. E, neste ano, para ingressar em um novo segmento, o qual ainda não pode ser revelado por questões contratuais, serão aportados mais US$ 10 milhões (R$ 32 milhões). E, para reforçar a nova linha de produção, serão contratados cerca de 50 profissionais.
Com essa estratégia de pulverização do ramo de atuação dos clientes, a Diadema Embalagens Flexíveis encerrou 2016 na contramão do mercado, com crescimento de 17% em seu faturamento, o qual não revela, e aumento de 10% no volume produzido.
Uma das mais recentes novidades de seu portfólio é a embalagem do novo Danoninho pastoso, que não requer colher, e mantém a temperatura por até cinco horas fora da geladeira.
Para 2017, de acordo com o diretor comercial e de suprimentos da firma, Antonio Adão Parra, o objetivo é expandir a receita, no mínimo, em 8%. “O diferencial da Diadema é o planejamento. Com o mercado cada vez mais complexo, temos que saber até as preferências do cliente do nosso cliente”, comenta.
ESTRATÉGIA - Questionado sobre os impactos que a crise teve na Diadema, Parra destaca que é necessário ter cautela. “Em tempos difíceis como este, o jeito é manter preços competitivos para os clientes. Nada de aumentar custos, porque senão ninguém vai comprar os nossos produtos, o que é ruim”, desabafa.
A companhia lança mão da metodologia Five Years Plan, ou cinco anos de planejamento, na qual diretores da empresa se reúnem no fim de cada ano para discutir resultados e projetar a próxima metade da década e o ano seguinte. Além de conquistar, dessa forma, crescimento consistente e sustentável, utilizam-se menos caminhões ao transportar embalagens sustentáveis, em vez de garrafas e frascos de vidro. Tanto que o diretor comercial e de suprimentos conta que, na última reunião, a projeção era de expansão em 13% do faturamento, e eles alcançaram 17%.
Ainda tem a questão mercadológica que, de acordo com a Pesquisa Nielsen de 2015, cerca de 70% das pessoas escolhem o que comprar em frente às gôndolas. “Não é só imprimir o que as empresas nos mandam, vai muito além disso”, afirma Parra, referindo-se ao fator oculto que pode estimular o consumidor a adquirir tal produto a partir da embalagem.
Para ele, o objetivo para ampliar o tamanho da empresa, ano a ano, é entrar em setores que a empresa ainda não atende. “Quanto maior a nossa gama de clientes, melhor é para suportar momentos de retração”. O diretor-geral da companhia, Gimenes Silva, também está otimista quanto ao crescimento do mercado. “Esperamos uma retomada da economia e, com ela, maior demanda do consumo”.  
Gabriel Russini 
Especial para o Diário

3 de mar de 2017

Hipermercados Extra Diadema e Vl. Luzita viram Assaí

Duas unidades do Hipermercado Extra no Grande ABC, Diadema (situado na Av. Piraporinha) e Vila Luzita (Av. Capitão Mário Toledo de Camargo), em Santo André, estão fechadas para reforma e substituição de sua bandeira para a do Assaí Atacadista, que vende tanto no atacado quanto no varejo e mira público que busca preço e variedade menores e não liga para sacolinhas plásticas, além de pequenos comerciantes.
De acordo com o Grupo Pão de Açúcar, ao qual pertencem as duas bandeiras, a mudança de Extra para Assaí é parte do plano de conversões estabelecido pela rede para 2017. “A estratégia da companhia se baseou em estudos internos de tendência de comportamento do consumidor, geomarketing e análise da concorrência local, amparando a decisão de expansão e oferta do melhor modelo de operação para cada região. Dessa forma, foi identificado que o Assaí atenderia ainda melhor o público local”, esclarece a empresa, ao ser questionada pelo Diário.
Ainda segundo o grupo, os colaboradores das lojas Extra que manifestarem interesse em continuar na companhia serão absorvidos por outras operações da empresa na região. Os que já optaram por permanecer na unidade, só que sob a marca Assaí, vão passar por treinamento para aperfeiçoar o atendimento, pois as bandeiras têm perfis e produtos diferentes, e são destinados a públicos distintos.
A rede não informou o número de funcionários em cada uma das unidades. Quanto à data de reabertura, disse que ainda não foi definida, mas garante que será ainda neste ano.
ATUAÇÃO NA REGIÃO - Com as mudanças, a loja Anchieta (Rua Garcia Lorca, 301), em São Bernardo, que funciona 24 horas, é indicada pelo grupo como alternativa aos frequentadores da unidade Diadema.
Já aos que utilizavam o estabelecimento da Vila Luzita, as opções são as lojas do Grand Plaza Shopping, na mesma cidade, e o do Mauá Plaza Shopping, no município vizinho. Ainda na modalidade de hipermercado, permanece na ativa a loja São Caetano (Rua Senador Vergueiro), aberta 24 horas.
Quanto aos supermercados, o grupo mantém outros nove estabelecimentos na região, sendo três em Diadema, dois em Santo André, três em São Bernardo e um em São Caetano.
Em relação ao Assaí, as duas conversões elevam o número de lojas da bandeira no Grande ABC para sete. Das outras cinco, duas estão em Santo André, uma em São Bernardo, uma em São Caetano e outra em Ribeirão Pires.
Já a grife Pão de Açúcar está presente na região em três unidades, sendo uma em Santo André, uma em São Caetano e outra em São Bernardo.
Ao todo, são 23 operações no Grande ABC, isso sem contar os minimercados do Extra e as lojas Pão de Açúcar Minuto, de menor porte. 
Soraia Abreu Pedrozo 
Do Diário do Grande ABC


15 de fev de 2017

Design inspirado em grandes redes aumenta vendas de pequenas lojas é caso da Fábrica 7, em Diadema (SP)



O design de uma loja pode aumentar em até 30% seu faturamento, segundo dados do Sebrae-SP. Pensando nisso, pequenos empresários buscam inspiração em grandes marcas para melhorar o ambiente de seus negócios.

"É preciso encontrar no mercado novas ideias, já que um design bem feito impulsiona os resultados", afirma o consultor do Sebrae-SP Rodrigo Carvalho.

O empresário Rafael Couceiro, 32, caça novidades em redes de restaurantes como a norte-americana Outback para sua hamburgueria, a Fábrica 7, em Diadema (SP).
A busca começou antes mesmo de abrir as portas. Todas as segundas, Couceiro visitava um lugar novo.

"Peguei ideias como os sofás e lustres baixos, que deixam o ambiente agradável, e até de atendimento, como ter uma hostess na porta ou treinar os garçons para que se apresentem aos clientes antes de atendê-los", afirma.

Segundo Couceiro, o estudo prévio deu certo: em dez meses, a hamburgueria já fatura R$ 100 mil por mês.

Para Luis Stockler, da consultoria de franquias ba{STOCKLER, é possível tirar informações dos materiais de feiras para varejo no exterior, como NRF e Euroshop, alguns disponíveis on-line.

"O pequeno deve observar o que os maiores fazem e beber desta fonte também", diz.
Na Puket, rede de lojas especializada em meias e pijamas, a estratégia começa ao montar um calendário do ano, com eventos e festas.

Depois, são criados projetos que liguem todos os pontos de contato com o cliente, como vitrine, redes sociais, catálogos e ações no ponto de venda, como promoções.

"A loja é o templo da marca e deve ter boa apresentação", diz a diretora de marca da rede, Andreia Mendes.

Mas há locais que não dispõem de espaço para vitrines elaboradas, por exemplo.
Nesse caso, dá para se inspirar na rede britânica de beleza The Body Shop, que instala nas lojas mesas com os principais lançamentos.

"Usamos essa estratégia para apresentar os produtos e deixamos provadores para que o cliente experimente os itens", afirma a administradora Regina Boschini, 42, que tem seis lojas da marca.

Para fazer com que os consumidores passem o maior tempo possível na loja, Boschini abusa de elementos de decoração como plantas, iluminação indireta e ambientação rústica, tudo seguindo as diretrizes da marca.

FERRAMENTAS
As estratégias das grandes franqueadoras, que vão de projeto arquitetônico, embalagem, promoções e atendimento, são criadas usando ferramentas de inteligência de mercado, diz Carlos Alberto Zilli, especialista da ABF (Associação Brasileira do Franchising) e jurado do prêmio de design da entidade.

Há opções que podem ser contratadas por pequenas empresas, com baixo custo. Consultorias especializadas oferecem o serviço e já existem softwares como o Microsoft Power BI, cujo plano custa US$ 9,99 (R$ 30,90) por mês.


Segundo Zilli, há também uma alternativa gratuita, embora mais trabalhosa: conversar com os clientes, seja estando na loja ou estudando a base de cadastros, para entender suas necessidades e padrões de compra.

Mas não é preciso gastar rios de dinheiro nem mudar o tempo todo o projeto ou mesmo o marketing da loja.


"Uma tendência é apostar em pequenas soluções para nichos, como embalagens para cada produto ou região, mas ainda é preciso conhecer bem o público", diz Zilli.

EVENTO
Na edição deste ano, a Feira do Empreendedor, do Sebrae-SP, que acontece entre 19 e 21 de fevereiro no Anhembi, em São Paulo, contará com lojas-modelo de diversos setores de varejo.

Estão previstas uma oficina mecânica, comércio eletrônico, loja de roupas, salão de beleza, minimercado, papelaria e restaurante.

A ideia é mostrar as melhores práticas de negócio em cada setor e soluções para deixar o estabelecimento mais atrativo para o cliente.

"Antes de pensar no modelo de negócio, o empreendedor deve observar o que há de consolidado no mercado, para aprender a fazer bem feito", afirma o consultor do Sebrae-SP Rodrigo Carvalho.

Entre os temas abordados estão operação de loja virtual, marketing visual, disposição e mix de produtos, recepção, atendimento e estoque.

No restaurante, serão montados serviços de alimentação, que vão de salad bar, bufê e loja de conveniência.

Nos espaços-modelo, consultores especializados farão visitas guiadas para apresentar cada tipo de negócio.

Para apresentar a loja de roupas, os visitantes usarão óculos de realidade virtual para assistir vídeos que mostram como ambientar o estabelecimento. No salão, aprenderão as principais normas técnicas de qualidade que regem o setor de beleza.

Além dos aspectos de cada setor, os especialistas vão explicar como investir em um novo negócio, estruturar e inovar as operações, organizar as finanças e montar um plano de marketing.

Também estão previstos no local, batizado de "Cidade Empreendedora", 424 estandes de expositores. A expectativa do Sebrae é receber 150 mil pessoas na feira, que acontece no Anhembi. 

fonte: FOLHA

Fabricante de robôs de Diadema lança sistema a laser remoto


A Motoman Robótica do Brasil, empresa localizada em Diadema que pertence ao conglomerado japonês Yaskawa, desenvolveu sistema inédito em território nacional de solda a laser remoto, que permite a operação com um robô e um gerador de energia. A tecnologia já tem um primeiro cliente, a Amvian, fabricante norte-americana de estruturas para bancos automotivos, situada em Atibaia, no Interior, que abastece a Volkswagen.
De acordo com a Motoman, o sistema foi desenvolvido apenas por profissionais brasileiros, e em Diadema. A máquina foi criada para realizar a soldagem do banco do novo veículo que a Volks pretende lançar no decorrer deste ano, cujo nome ainda não foi revelado pela montadora alemã. No entanto, conforme o Diário antecipou, a planta da Anchieta, em São Bernardo, começará a fabricar veículo da ‘família’ do Gol. Mais sofisticado e mais espaçoso que o carro popular, sua nova versão terá outro nome e será comercializado em faixa acima da do modelo atual – que segue sendo manufaturado. Será espécie de versão brasileira do Polo. É possível, portanto, que seus bancos recebam essa tecnologia.
“Muito embora a solução já seja aplicada em outros países da Europa e nos Estados Unidos, no Brasil é a primeira vez que ela é desenvolvida. Me sinto muito orgulhoso por fazer parte desse feito”, afirma o diretor da Motoman, Icaru Sakuyoshi.
O sistema, que vale cerca de R$ 5 milhões – e, segundo Sakuyoshi, custa entre R$ 8 milhões e R$ 10 milhões se importado –, é composto por robô de alta precisão, gerador de laser, cabeçote laser 2D (para fixar a peça), dispositivos de solda, bases, enclausuramento, coifa, sistema de exaustão com filtragem, aparelho de monitoramento on-line e portas automáticas.
Segundo Sakuyoshi, o equipamento, que levou nove meses para ser construído, é quatro vezes mais rápido do que a solda convencional, ou seja, tem capacidade para chumbar a peça traseira do banco do automóvel em apenas 60 segundos. “Em razão da demanda, pretendemos construir um novo exemplar do sistema, só que dessa vez em menos tempo, em seis meses, no máximo”, comenta.
Sem contar que, a partir do momento em que o trabalho de solda é feito pelo robô, além de aumentar a velocidade, o risco diminui.
A Amvian foi escolhida pela Volkswagen no início de janeiro para substituir o grupo Prevent (detentor da Keiper, de Mauá), com o qual rompeu contrato de fornecimento após disputa comercial. Sem bancos para terminar a montagem dos automóveis, a marca alemã teve de paralisar a produção por várias semanas nas unidades de São Bernardo, Taubaté e São José dos Pinhais (Paraná). Ao todo, a montadora estima que 150 mil veículos deixaram de ser confeccionados por esse motivo.
Questionado sobre o possível risco aos empregos no chão de fábrica com o advento, Sakuyoshi rebate. “Esse negócio de que a máquina tira emprego do homem é um mito, o objetivo por aqui é maior. Queremos investir em novas tecnologias, aumentar a produtividade e expandir os negócios e, como consequência, disso, gerar empregos mais qualificados na área.”
Hoje, a companhia emprega 93 funcionários. Dentre os setores que a Motoman atua estão as indústrias automotiva, alimentícia, de implementos agrícolas, siderúrgica e paletização. A robótica está na região por meio da companhia desde 1999, primeiro em São Bernardo e depois, em 2011, em Diadema.
EXPECTATIVA - Antes de realizar projeções para este ano, a Motoman aguarda o fechamento do balanço de 2016, cujo ano fiscal se encerra somente em abril. A intenção da empresa é retomar o crescimento em razão dos novos negócios firmados e, assim, recuperar a queda de 30% registrada em 2015.
“Estamos em negociações avançadas com a Amvian para atender mais uma montadora do Grande ABC. Caso dê certo, vamos investir mais e construir outro sistema de solda a laser para atender os requisitos do cliente. Creio que 2017 será ano de expansão para nós”, estima Sakuyoshi. 
fonte: DGABC