11 de nov de 2013

População de Diadema classifica como nota 5,4 governo de Lauro

Maila Barreto/DGABC
Os dez primeiros meses de governo do prefeito de Diadema, Lauro Michels (PV), receberam nota 5,4, segundo avaliação realizada pelo DGABC Pesquisas. O índice é 0,4 menor ao obtido pela gestão verde em junho, no primeiro estudo sobre a administração.
A avaliação do governo também teve queda. O trabalho foi aprovado por 27,8% da população, incluindo os entrevistados que consideram a atuação do verde ótima (3% da fatia) e boa (24,8%) – outros 44,8% acham regular. Cinco meses atrás, o contentamento era de 38,3%.
Os recuos nos índices de popularidade e nota da gestão são reflexos de a administração Lauro demorar para deslanchar. Não à toa, o verde mexeu cinco vezes no secretariado em dez meses – média de uma mudança a cada 60 dias.
A ausência de marcas do trabalho também reflete no acréscimo da rejeição à atuação do prefeito. Em junho, 17,8% dos entrevistados reprovaram seu mandato (9,3% classificaram como ruim e outros 8,5% como péssimo). Agora, 23,8% condenam o chefe do Executivo, sendo 16,5% avaliando a atuação como péssima.
Lauro recebeu melhores notas entre a população com 60 anos ou mais – justamente os que presenciaram os mandatos de seu tio-avô, também Lauro Michels, no fim da década de 1960 e fim dos anos 1970. Essa fatia classificou o governo como nota 6,6.
Já os diademenses com idade entre 25 e 34 anos deram nota 5 para o trabalho do verde. Entre moradores com 35 a 44 anos, a nota foi de 5,1. São justamente os munícipes que viram quase na totalidade os 30 anos de governos petistas e de seus aliados.
Eleitores de Mário Reali (PT), principal adversário de Lauro na eleição do ano passado, deram nota 4,4 para o trabalho do verde na principal cadeira da Prefeitura de Diadema – em junho, a nota foi 4,7.
Caiu a nota entre os eleitores de Lauro. Cinco meses atrás, o índice foi de 6,2, ante 6 registrado nesta edição da pesquisa. Entre os que anularam ou votaram em branco, o trabalho do verde é nota 5,1.
O DGABC Pesquisas ouviu 400 pessoas entre os dias 4 e 5. A margem de erro é de 5%.
Saúde continua com área mal avaliada
A Saúde segue como área de maior reclamação entre os moradores de Diadema, segundo estudo do DGABC Pesquisas, do governo do prefeito Lauro Michels (PV).
De 16 setores da administração municipal avaliados pelo instituto, atendimentos em UBSs (Unidades Básicas de Saúde) e nos hospitais municipais foram os mais mal avaliados pela população diademense, recebendo, em ambos, nota 4,2.
Em dez meses, a gestão Lauro enfrenta problemas graves na Saúde. Setenta médicos foram demitidos da rede desde o início do ano, forçando o Executivo a diminuir horários de atendimento em UBSs e na UPA (Unidade de Pronto Atendimento 24 horas) Paineiras e a fechar a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) pediátrica do Hospital Municipal, em Piraporinha.
Promessa de campanha, o atendimento de pediatria na UBS do Jardim das Nações, conhecido como hospital infantil, não foi retomado e a reposição de profissionais do quadro de médicos vai ficar somente para 2014.
Na outra ponta da avaliação, serviços de limpeza e varrição de ruas e de água e esgoto são os mais bem conceituados pelos entrevistados do DGABC Pesquisas, conquistando notas 6,8 e 6,1, respectivamente.
Sobre a atuação de limpeza urbana, o governo Lauro implementou, desde o início do ano, o programa Diadema de Cara Limpa, para recolhimento de entulho em ruas da periferia. Também instalou lixeiras nos principais centros comerciais da cidade.
Na questão do serviço de água e esgoto, o trabalho segue executado pela Saned (Companhia de Saneamento Básico de Diadema) até o fim do ano. Em janeiro, após acordo com a Prefeitura para quitar dívida de R$ 1,1 bilhão da cidade, a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) vai assumir o fornecimento e tratamento de esgoto, com planejamento de investimento imediato de R$ 95 milhões.
Entre as áreas que registraram queda de avaliação está a Educação. As Emeis (Escolas Municipais de Ensino Infantil) ainda continuam elogiadas pelo diademense, mas receberam nota 6 – 0,3 menor do que em junho. Retração também apontada sobre as creches municipais, caindo de nota 5,5 em junho para 5.
Nos últimos meses, a administração anunciou implementação do ensino Sesi (Serviço Social da Indústria) e mudanças na distribuição de vagas em creche, transferindo diretamente crianças com 4 e 5 anos para as Emeis, atendendo dispositivo do Ministério da Educação.
Cai índice de otimistas da gestão
Diminuiu o índice de moradores que acreditam que o trabalho do prefeito de Diadema, Lauro Michels (PV), vai melhorar até o fim do mandato, em 2016. Cinco meses atrás, 73,3% dos entrevistados viam boas perspectivas com o verde à frente da Prefeitura. Agora, são 53,3% – queda de 20 pontos percentuais.
Em contrapartida, subiram as opiniões de que a gestão ficará estagnada (passou de 15,8% em junho para 28% em outubro) e de que a administração vai piorar (5,3% para 4,9%).
Nos dez primeiros meses de mandato, Lauro enalteceu principalmente realizações estruturadas pelo antecessor Mário Reali (PT).
Mas, mesmo com projetos encaminhados, diversas obras estão atrasadas, como quatro creches (entre elas a Naval, Ilhéus e Betel) e a UPA (Unidade de Pronto Atendimento 24 horas) do bairro Piraporinha.
O equipamento hospitalar, que serviria para desafogar o Hospital Municipal, segue no papel e é alvo de disputa entre o verde e petistas. Lauro diz que o terreno oferecido pertencia ao Ministério da Previdência, enquanto o PT garante que a área está regular. 
fonte: Raphael Rocha - DGABC

Nenhum comentário: