27 de set de 2011

Áreas em Diadema e Mauá valorizam 50%


Com oferta de terrenos para construção e preços considerados competitivos pelas incorporadoras, Diadema e Mauá começam a despontar nos lançamentos imobiliários. Em apenas dois anos, a valorização média nessas cidades chegou a 50%, com o metro quadrado construído vendido por cerca de R$ 3.800.
As inaugurações do Shopping Praça da Moça e do Corredor ABD, que tornou mais rápida a viagem de ônibus entre a Capital e Diadema, atraiu o investimento das incorporadoras. O diretor comercial e de marketing da MZM Construtora, Hélio Korehisa, afirma que em 2009 o metro quadrado custava R$ 2.500, mas agora os lançamentos custam R$ 1.300 a mais, em média.
"O município tinha terrenos que mal eram explorados pelas empresas. O número de lançamentos está crescendo, principalmente com incorporadoras vindo de São Paulo, como a Tecnisa, Elbor e Living", pontua Korehisa. Ele destaca que a infraestrutura nessas cidades melhorou bastante nos últimos anos, o que contribuiu para atrair investimentos.
MAUÁ - A cidade, que até pouco tempo era território esquecido pelas incorporadoras, também é considerada a bola da vez. Segundo o executio, a ascensão social para as classes C e B salta aos olhos das companhias focadas na chamada nova classe média. É o exemplo da concorrente MRV Engenharia, que apostou no lançamento de 3.000 unidades no município.
O metro quadrado do imóvel em fase de lançamento custa em média R$ 3.500. Mas, há dois anos, os compradores pagavam 40% a menos, R$ 2.500. "O Rodoanel é o atual vetor de crescimento da cidade, tanto que o valor do metro quadrado para a construção de galpões industriais ou de logística saltou de R$ 40 para R$ 400." A própria MZM tem três projetos para desenvolver na cidade. O primeiro deles tem valor geral de vendas estimado em R$ 100 milhões.
A Caixa Econômica Federal divulgou recentemente que a demanda por financiamentos imobiliários para residências em Diadema e Mauá cresceu vigorosamente em relação aos demais municípios. O acesso facilitado para a Capital eleva a intenção de compra da casa própria nessas cidades.

Cidades têm metro quadrado mais caro do que Guarulhos
Grandes redes de varejo, campus da Universidade Federal de São Paulo e proximidade às rodovias Anchieta e Imigrantes, cortadas pelo Trecho Sul do Rodoanel, tornam Diadema e Mauá mais valorizados do que Guarulhos, também na região metropolitana de São Paulo, que abriga um aeroporto internacional.
Para o executivo Hélio Korehisa, a infraestrutura de mobilidade urbana e saneamento básico das cidades localizadas no Grande ABC são tão evoluídas quanto as desse município, garante ele.
O valor do metro quadrado para imóvel novo em Guarulhos sai por média de R$ 3.000. Enquanto isso, em Diadema, paga-se em média R$ 3.800 e, em Mauá, R$ 3.500.
MAIS BARATO - O executivo da MZM destaca que os imóveis na região custam menos que em bairros paulistanos vizinhos como Vila Prudente ou Sacomã, cujos metros quadrados são vendidos por R$ 7.500. Em São Caetano, que tem a metragem mais valorizada da região, o valor médio é de R$ 6.000. Em Santo André, R$ 4.500, e São Bernardo, R$ 4.200.
Segundo a Caixa Econômica Federal, 949 famílias paulistanas migraram para o Grande ABC até a primeira quinzena de agosto com imóveis financiados pelo projeto Minha Casa, Minha Vida 2. Entretanto, esses contratos são remanescentes da primeira fase do plano.
fonte: Alexandre Melo - DGABC

 foto: DIADEMA1

Um comentário:

Anônimo disse...

3800 o m²?! Onde esse mundo vai parar?!